Bispo da Diocese de Umuarama faz uma reflexão sobre o domingo de Páscoa

Dom João Mamede Filho pontua alguns passos para a compreensão da ressurreição

Ressurreição de Cristo: Passos da compreensão que tenho hoje

A primeira vez que me defrontei com a palavra ressurreição, pensei numa reanimação de cadáver: Jesus Cristo, aquela pessoa boa, é maior que a morte. Saiu das garras dela e vive lá no céu, esperando a gente. Igual a ressurreição de Lázaro, por exemplo.

O segundo estágio foi: Ele ressuscitou, está vivo por aí, e a gente pode, de vez em quando, sentir a sua presença e a sua atuação a nosso favor.

O terceiro estágio: Se Ele escapou da morte, então Ele unifica nossa existência. Desde sempre. Ela transcorreu sob o cuidado. A totalidade da nossa vida não é um amontoado de circunstâncias desconexas. Há um fio condutor que perpassa toda nossa história pessoal. As circunstâncias de nossa vida, uma veio de outra, uma foi continuação de outra e todas estão interligadas e nos trouxe ao que somos hoje.

            Inventando uma história: nasci lá no nordeste. Era criança ainda e uma seca fez minha família vir para o norte de Minas Gerais. Lá comecei a ir à escola. Até tive uma namoradinha, coisa de adolescente apenas. Mas aí tivemos que mudar de novo e viemos para São Paulo. Em São Paulo, na periferia, cresci, estudei e até comecei a faculdade. Mas, outra vez, minha família precisou se mudar e viemos para Umuarama. Aqui terminei minha faculdade, namorei, casei e hoje tenho meus dois filhos. Se a pessoa visualiza isso como um amontoado de circunstâncias desconexas, que uma não levou à outra, e uma não saiu da outra, não tem fé mais clara na Ressurreição.

O quarto estágio foi entender que a criação não foi concluída. Jesus Cristo ressuscitado continua a criação, continua nos modelando como o oleiro faz com o barro na cerâmica. A mínima dorzinha de cabeça, a ofensa dura de alguém, o pedido de socorro de um irmão é o Senhor nos trabalhando, dando mais um passo na edificação de sua obra, que somos cada um de nós.

O quinto estágio foi Êxodo 3,14… Alguns peritos traduzem: “ESTOU me enviou a vós”. Jesus é o ESTOU. Aquele que é, que era e que vem. Aquele que sempre esteve e nunca deixará de estar. Mesmo na crise do COVID-19.

Dom João Mamede.

Publicação e Imagem: Katya Suzuki
Assessora de Comunicação Diocesana e PASCOM
Fonte: Érica Bolonhezi
Jornalista Diocesana e PASCOM 

Compartilhar: