Coletiva de imprensa do 56º Dia Mundial das Comunicações Sociais

“A intenção não é só publicar a Mensagem para o Dia. É fazer que a mensagem avance um passo à frente. Vá além das Mídias. E mexa com pessoas”

Na manhã desta sexta-feira (27), foi realizada uma Coletiva de Imprensa, em comemoração ao 56º Dia Mundial das Comunicações Sociais. A reunião aconteceu na Residência Episcopal e foi transmitida pelo Facebook da Diocese.

Participaram do evento: o Bispo Diocesano, Dom Frei João Mamede Filho; o Padre Carlos Alberto de FigueiredoPároco da Paróquia Santuário Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e Assessor da Pastoral da Comunicação (Pascom); o Padre Machado, Diretor da Rádio Amizade FM e Pároco na Paróquia São José e a Sra. Valdecir Rodrigues, Secretária Executiva da Cáritas Diocesana.

Quem não conseguiu acompanhar ao vivo, pode conferir a coletiva de imprensa na íntegra nos meios de comunicação citados acima.

Confira abaixo a reflexão que o Bispo Diocesano fez sobre o Dia Mundial das Comunicações Sociais:

56° DIA MUNDIAL DAS COMUNICAÇÕES – ESCUTAR MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO.

Mais que resumir os termos da Mensagem do Papa Francisco para o 56º Dia Mundial das Comunicações, tentei escutá-lo para poder falar um pouco dele pra vocês. O texto mesmo diz que a gente só fala o que escuta. Primeiro, deixem-me dizer que, mais ou menos, já esperava que tema seria esse: “escutar”. Por causa do Sínodo. Está em andamento a preparação para o Sínodo sobre sinodalidade. O item principal, diz o Papa, é a escuta. A primeira e principal coisa que o caminho sinodal ha de implementar é a escuta. Sínodo, no fundo, diz: Se nos escutarmos uns aos outros, nos descobriremos hálitos de um mesmo sopro, fazedores de movimentos coreográficos de um mesmo bailado, notas de uma mesma melodia, crianças de uma vida sem memória. Sinodalidade é perceber que o saber não se processa só de cima para baixo. Mas horizontalmente também. Que dizer, escutando uns aos outros, descobrimos coisas que o próprio Papa não sabe. Por isso que ele propõe o escutar. Porque também ele quer nos escutar e, assim, aprender mais.

A porta de um hospital, um conhecido sala. Disse-me que esteve alguns dias internado por causa de um mal-estar. E comentou: como esse pessoal da saúde trata a gente com humanidade, cuidado, ternura… Respondi-lhe que quando estive internado a impressão foi a mesma. Perguntei então: será que isso é vocação, talento ou traquejo? Ele não sabia responder. Aproximava-se então uma enfermeira e lhe tascamos a pergunta: Vocação, talento ou traquejo? E ela: respondo por mim. Acho que nenhum dos três: nem vocação, nem talento, nem traquejo. É que quanto a gente esbarra na fragilidade…a gente amolece…Pra que endurecer com uma coisinha assim tão frágil…!?

Interpreto assim o escutar, de que fala o Santo Padre. Começa como percepção acústica. Hoje o celular escuta também. E tem um repertório enorme de informações. E nos responde. Mas depois, se o ouvinte tiver paciência, e deixar ressoar em si o que foi ouvido, avança. E passa a escutar uma dimensão mais subcutânea da pessoa, mais profunda. Se escutar e focar o escutado, não estaciona ali. Começa uma viagem de conhecimento.

Para falar com a Mensagem do Papa, começa a se espantar: Só o espanto permite o conhecimento. Co-nascimento. O resto é computador que acumula informação. Bicho não fala. Bicho escuta um pouco, quase como o celular. Mas não fala, porque não tem espanto. Se um bicho começar a falar, o outro diz: pode parar. Você está chovendo no molhado. Comigo é a mesma coisa. O escutar paciente vai sempre nos causar espanto porque fará nos darmos conta de algo de fora de nós mesmos. Algo fora do nosso repertório de saber. Pode ser alguma coisa miúda, mas que vai nos obrigar a rever e reconsiderar tudo que sabemos. Co-nascer. Conhecimento.

O primeiro na intenção é o último na execução. Assim sendo, vai aí a última frase da mensagem do Santo Padre: ” Cientes de participar numa comunhão que nos precede e inclui, possamos descobrir uma Igreja sinfônica, na qual cada um é capaz de cantar com a própria voz, acolhendo como dom as dos outros, para manifestar a harmonia do conjunto que o Espírito Santo compõe.

A intenção não é só publicar a Mensagem para o Dia. É fazer que a mensagem avance um passo à frente. Vá além das Mídias. E mexa com pessoas….

27/05/2022-Dom João Mamede

Publicação: Gabriel Rocha
Assessor de Comunicação Diocesana e PASCOM
Fotos: Roberto Carlos da Silva