Especial Mariano: Horários de celebrações, história da Santa, o maior Santuário Mariano do mundo e muito mais

ESPECIAL MARIANO

 

 

Confira os locais e horários das celebrações da solenidade de Nossa Senhora da Conceição Aparecida em Umuarama.

 

 

Papa Francisco manda mensagem e benção especial aos brasileiros pelos 300 anos de Aparecida em seu disurso:

 

 

Em mensagem especial a todo o povo brasileiro, o Santo Padre, Papa Francisco, gravou uma mensagem para todos verem neste dia 12 de outubro.

 

 

Quem disse que Aparecida é Padroeira do Brasil?

 

No ano de 1929 ocorreu no Brasil um congresso Mariano no qual os bispos do país decidiram, em sua maioria, consagrar o Brasil a Nossa Senhora Aparecida, a partir daí, foi enviado um pedido à Santa Sé (Vaticano) para aprovação do Papa. Porém, existiam controvérsias, por que existiam bispos contrários, pois já existiam devoções muito fortes e presentes no país e o Brasil JÁ TINHA um Padroeiro, você sabia?

São Pedro de Alcântara era padroeiro do Brasil e Imaculada Conceição já era padroeira da América Latina, mas como a devoção por Nossa Senhora já era muito presente, o Papa Pio XI assinou o decreto e declarou Nossa Senhora Aparecida como Padroeira do Brasil em 16 de julho de 1930.

Então, a imagem da Santa foi levada de Aparecida, SP até o Rio de Janeiro, RJ para a comemoração oficial onde estavam presentes cerca de 1 milhão de fiéis que lotaram a praia de Copacabana. No percurso da imagem, houveram milhares de pessoas acompanhando a em procissão. Existiam pontos de paradas em cidades para a propagação a devoção popular, até chegar na cidade carioca na presença de vários bispos, ministros e do presidente da república, Getúlio Vargas.

            No dia, todos os fiéis presentes e de todo o país rezaram esta oração:

 

Senhora Aparecida, o Brasil é Vosso!
Rainha do Brasil, abençoai a nossa gente!
Paz ao nosso povo!
Salvação para nossa Pátria!
Senhora Aparecida o Brasil vos ama,
O Brasil em vós confia!
Senhora Aparecida, o Brasil vos
Aclama Salve Rainha!

 

 

Os mantos da Mãe Aparecida

Ao longo da história da Padroeira do Brasil a pequenina Imagem sempre foi alvo de muitos estudos e pesquisas. Entre esses registros um é bastante peculiar: os mantos que cobriram a Imagem ao longo dos últimos trezentos anos.

 

 

 

Algumas referências encontradas sobre os adereços colocados na Imagem apontam como os mais comuns, o manto e a coroa, mas a Imagem já chegou a carregar grandes e pesados cordões em seu pescoço.

O inventário dos bens e alfaias sagradas do Santuário, com data de 5 de janeiro de 1750, cita um desses mantos utilizados pela Imagem de Aparecida:  “Um manto de carmesim com ramos de ouro aplicados no mesmo, doado por Francisco Soares Bernardes da cidade de Mariana, Minas Gerais” (cf. História de Nossa Senhora da Conceição Aparecida). Segundo o autor, os objetos eram colocados para disfarçar a quebra da Imagem.

 

 

 

 

 

A Imagem usou vários cordões de ouro. Em 1770, aparece uma citação sobre estes ornamentos. Nessa época, os registros indicam que os cordões que existiam foram vendidos para ajudar na reforma da capela.

Desses adereços apenas alguns podem ser encontrados no acervo do Museu Nossa Senhora Aparecida e mesmo na Reserva Técnica do Santuário Nacional, onde os objetos históricos ficam armazenados quando não estão em exposição. Localizados na Torre Brasília, no Santuário Nacional, esses lugares guardam inúmeras preciosidades para que a história possa ser preservada e continue a ser transmitida às demais gerações.

 

 

 

 

Os Mantos Da Padroeira

Dos mantos utilizados na Imagem da Padroeira do Brasil ao longo de sua história, existem algumas informações e poucos foram armazenados. Dos encontrados, os dois são relacionados à cerimônia de Coroação de Nossa Senhora Aparecida, em 1904.

O primeiro está em exposição no Museu junto com uma réplica da coroa doada pela Princesa Isabel, em 1868. O segundo manto devido ao seu estado de deterioração está armazenado na Reserva Técnica. O manto que na época era de cor azul anil hoje pouco guarda dessa tonalidade. O primeiro que está em exposição no Museu ainda guarda tonalidades vivas e ornamentos bastante preservados.

 

          

 

 

 

A primeira foto do manto

(Fotocópia do registro mais antigo da Imagem da Padroeira, feito pelos fotógrafos franceses, em 1869. (o registro é o único encontrado na Cúria Arquidiocesana de Aparecida)

O primeiro retrato que se tem notícia da Imagem original foi feito pelos fotógrafos franceses Luiz Robin e Valentim Fraveau, em 1869. Nesta aparece um manto utilizado pela Imagem naquela época. A outra imagem, do fotógrafo amador, André Bonotti, tirada em 1924, apresenta a Imagem sem o manto, com um dos cordões ao redor do pescoço. Ela foi muito utilizada pelos especialistas para constatar o estado primitivo da Imagem até esta época.

 

 

 

 

 

O Manto Primitivo

 

 

Peritos constataram que a Imagem primitiva era originalmente policromada, tinha a pele do rosto e das mãos brancas, um manto de cor azul escuro e o forro vermelho granada. Estas eram as cores oficiais, conforme determinação de Dom João IV, de 25 de março de 1646, quando tornou a Santa Virgem, sob a invocação da Imaculada Conceição, Padroeira do Reino de Portugal e seus domínios. Ao longo dos anos, foi adicionado um sobremanto em forma triangular e uma coroa, o que permanece até os tempos atuais.

 

 

As Coroas Da Padroeira Do Brasil

 

 

 

 

 

O costume de colocar coroas e mantos na Imagem é descrito no já citado inventário dos bens e alfaias sagradas do Santuário, com data de 5 de janeiro de 1750. Nem sempre a coroa foi de ouro, algumas foram de prata. A coroa mais importante da Imagem é a que foi doada pela Princesa Isabel, em 1868, e que está atualmente junto à Imagem original. A coroa de ouro de 24 quilates, pesa 300 gramas e tem 24 diamantes maiores e 16 menores. Foi com ela que foi realizada a Coroação de Nossa Senhora Aparecida, em 1904. Dessa coroa, uma réplica está em exposição no Museu, junto com o manto utilizado na mesma celebração.

No ano de 2004, na comemoração do centenário de Coroação da Imagem, um concurso de design de coroas foi lançado pelo Santuário Nacional de Aparecida. Dos diversos desenhos, cinco foram escolhidos e ganharam protótipos. Todos estão em exposição no Museu. A coroa vencedora, feita em prata dourada e pedras, foi projeto de Lena Garrido e Equipe de Débora Camisasca, de Belo Horizonte (MG).

 

 

 

 

O Atual Manto Da Padroeira Do Brasil

O manto que cobre a Imagem de Nossa Senhora Aparecida na atualidade tem aproximadamente quatro anos. Foi confeccionado por uma família aparecidense. Nele, estão destacadas as bandeiras do Brasil e do Vaticano, identificando assim a unidade da Igreja com o Papa.

 

Ao longo dos últimos quase três séculos o manto da Padroeira do Brasil sempre quis representar a realeza de Maria, enquanto Mãe do Redentor da Humanidade. Ao longo da história, muitos foram os mantos que cobriram a Imagem da Padroeira, mas um em especial remete ao seu achado em 1717: as mãos de Filipe Pedroso. Ele foi um dos pescadores presentes no milagre nas águas do rio Paraíba. Ele mesmo com suas mãos moldou a pequenina Imagem com cera de abelha e assim foi o primeiro a venerar a Rainha e Padroeira do Brasil.

 

 

 

Os Mantos Confeccionados Pelas Irmãs Carmelitas

 

Desde 2010 as Irmãs Carmelitas bordam os mantos que são colocados na Imagem que fica no Altar Central durante a Novena e Solenidade. Esses mantos estão todos guardados na Reserva Técnica para registrar também essa outra história dos mantos. Veja nas fotos, os mantos de cada ano desde 2010.

 

 

2010

 

2011

 

2012

 

2013

 

2014

 

 

O Santuário Nacional em Números

 

 

O maior centro de evangelização católica do Brasil é um espelho da devoção popular brasileira e estrangeira pela Rainha e Padroeira do Brasil, Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Para acolher quase 12 milhões de peregrinos por ano, o Santuário Nacional oferece aos devotos área superior a 1,3 milhão de metros quadrados, com quase 143 mil m² de área construída.

 

 

A área específica da Basílica de Aparecida compreende quase 72 mil m², e inclui os pavimentos inferior e térreo, arcada e Tribuna sul, a Cúpula Central e as Capelas da Ressurreição e do Batismo, além da Torre Brasília.

É no interior da Basílica, no pavimento térreo, que fica o Nicho da Imagem milagrosa da Padroeira do Brasil, exposta em um retábulo de 37 metros de altura. Neste pavimento, de 25 mil m², são realizadas as Celebrações Eucarísticas que chegam a reunir 30 mil devotos em torno do Altar Central; nas celebrações externas, a capacidade é para 300 mil.