Regional Sul 2 dá início à visita Pastoral Missionária à Guiné-Bissau, na África

A comitiva missionária do Regional Sul 2 da CNBB, composta por seu presidente, dom Geremias Steinmetz, os padres: Emerson Lipinski, Edson Zamiro e Rafael Fuchus, o jovem Wesley de Matos Fonseca e a jornalista Karina de Carvalho, desembarcou no aeroporto de Bissau, capital da Guiné-Bissau, na África, às 12h30 (10h30 do Brasil) de quinta-feira, 3 de novembro. O missionário brasileiro, padre Sadi Cordeiro da Silva, os aguardava e os conduziu ao Seminário Menor da Diocese de Bissau para o almoço.

Em seguida, os missionários viajaram para Bafatá, onde foram hospedados na casa episcopal da diocese de Bafatá pelo administrador diocesano, padre Lúcio Brentegani, e a missionária Adriana Nishiyama. Dom Geremias presidiu a missa e, logo após, houve o jantar.

Na manhã de sexta-feira, dia 4 de novembro, o grupo viajou até a cidade de Gabú, a cerca de 1h30 de viagem. A distância é consideravelmente curta, porém, as estradas em situações precárias tornam o tempo de viagem longo.

Em Gabú, a primeira visita foi realizada ao Centro de Recuperação Nutricional (CRN) e à Casa de Mães (CM), um lugar ao lado do outro. Dois projetos mantidos pela diocese de Bafatá e pela Cáritas diocesana, sob administração das Irmãs Clarissas Franciscanas do Santíssimo Sacramento. Tanto em um lugar quanto em outro, centenas de vidas já foram salvas.

O CRN acolhe crianças em situação de desnutrição, muitas vezes em estado gravíssimo, buscando curá-las e depois realiza um trabalho de sensibilização e educação alimentar. Irmã Florinda Costa e Sá, coordenadora do CRN, explicou que, muitas vezes, as crianças ficam desnutridas, porque as mães não têm instrução, elas saem do aleitamento materno e passam a se alimentar com os adultos. E na Guiné-Bissau, as pessoas se alimentam basicamente do arroz com óleo de dendê, insuficiente para o desenvolvimento de uma criança.

A CM comporta até 24 gestantes. São grávidas em situação de risco, especialmente, por terem anemia grave e outras doenças. Algumas buscam ajuda e outras são resgatadas nas tabancas (comunidades distantes e de difícil acesso), quando a equipe da CM realiza as visitas para consultas e acompanhamento.

Após essa visita, a comitiva visitou a Paróquia Santa Isabel. Foram recepcionados pelo pároco, padre Odilon Judicael Leno, e realizaram um momento de oração. Depois, seguiram para a Missão da Comunidade Nova Aliança para um momento de convivência e almoço.

No final da tarde, de volta à Bafatá, aconteceu uma reunião com o diretor da Cáritas, padre Paulo de Pina Araújo. Ele apresentou a história e a realidade atual da diocese de Bafatá, que foi fundada em 2001, quando foi nomeado seu primeiro bispo, o brasileiro dom Pedro Carlos Zilli, falecido em março de 2021, em decorrência de complicações da Covid-19. Dom Pedro permaneceu à frente da diocese por quase 20 anos. Agora, a diocese aguarda, a mais de 1 ano, a nomeação de um novo bispo.

Texto e fotos: Karina de Carvalho
Assessora de Comunicação da CNBB Sul 2

 

 

 

 

 

Compartilhar: