Em coletiva, Dom João fala sobre propostas para a CF 2017 na Diocese

“Já pensaram a gente chegar ao fim, cada um com um pacotão de dólares na mão e não ter nada para a gente comprar? Destruímos tudo!”

Na manhã de ontem, 23, aconteceu, na casa episcopal, a primeira coletiva de imprensa de 2017. O objetivo da coletiva era dar abertura à Campanha da Fraternidade de 2017 e ao PADU (Projeto Ambiental da Diocese de Umuarama).

A coletiva contou com a presença do Bispo Diocesano, Dom João Mamede Filho, que fez o lançamento da campanha na diocese; do Pe. Carlos Alberto de Figueiredo, coordenador do DECOM (Departamento de Comunicação Diocesana) e diretor da Rádio Inconfidência; do Reginaldo Urbano Argentino, presidente regional da Cáritas do Paraná, e do Paulino de Almeida, presidente do Conselho Municipal do Meio Ambiente.

Dom Mamede fez memória ao aumento da população mundial e ao descaso com o meio ambiente e o local em que vivemos. Disse ainda que uma única pessoa não pode mudar o mundo, mas se cada um fizer um pouco, logo todos serão muitos.

GESTO CONCRETO

No momento aberto para perguntas, Dom Mamede foi questionado por uma jornalista sobre o que a Igreja Católica faz para ajudar, juntamente com seus fiéis, nessas causas. Acompanhado de uma longa risada, ele respondeu: “Ajoelhar e rezar”, após a brincadeira, ressaltou que a Igreja pode e deve fazer uma conscientização, através das paróquias e de seus organismos, e replicou: “Já que não perguntam, eu pergunto para vocês: O que vocês acham que a Igreja deveria fazer à respeito disso?”. Após algumas perguntas, Dom Mamede nomeou algumas ações que todos podem fazer, como cobrar do poder público a recuperação das áreas degradas, cuidar das nascentes, dos rios e das áreas de preservação ambiental, incentivar o consumo de produtos agroecológicos e sustentáveis, entre outros.

Na coletiva também foi lançado simbolicamente o PADU (Projeto Ambiental da Diocese de Umuarama), que visa plantar mudas de árvores nativas e frutíferas em uma área demarcada no CDF (Centro Diocesano de Formação), pelos funcionários da Mitra Diocesana, árvores essas que terão placas indicando quem as plantou e serão cuidadas pelos mesmos. O Bispo Diocesano encerrou dizendo: “É um ato simbólico e pequeno, sei que não resolveremos os problemas do mundo nem da nossa cidade, mas estamos fazendo a nossa parte e convidando a todos para que nos ajudem na causa também”.

Confira da coletiva clicando no link.

Compartilhar: