Coletiva de Imprensa 55º Dia Mundial das Comunicações Sociais 2021

“Vem e verás” ( João 1,46). Comunicar encontrando as pessoas onde estão e como são.

 

Na manhã dessa quarta-feira (12), foi realizada uma Coletiva de Imprensa virtual, em comemoração ao 55º Dia Mundial das Comunicações Sociais. A reunião aconteceu pela plataforma Zoom e foi transmitida pelo Facebook e Youtube da Diocese.

Participaram do evento, o Bispo Diocesano, Dom Frei João Mamede Filho; Padre Carlos Alberto de Figueiredo, Pároco da Paróquia Santuário Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e Assessor da Pastoral da Comunicação (Pascom); Reginaldo Rodrigues, Coordenador Diocesano da Pascom; Rita Mércia Silvestre Maia Antoniassi, coordenadora da Pastoral da Comunicação na Paróquia São Francisco de Assis e alguns membros da Pastoral, Padres e Diáconos.

 

Quem não conseguiu acompanhar ao vivo, pode conferir a coletiva de imprensa na íntegra, nos meios de comunicação citados acima.

 

Confira abaixo a reflexão que o Bispo Diocesano, fez sobre o Dia Mundial das Comunicações Sociais:

 

55º DIA DAS COMUNICAÇÕES. – PAPA FRANCISCO…. ‘VEM E VERÁS’.

 

Três citações da Mensagem: 1) O Evangelho de João, 1,39ss:  “Natanel… de Nazaré pode vir alguma coisa boa?…Vinde e verás”! Jesus se antecipa dizendo que o viu debaixo da figueira e sua vida muda. 2) O Beato Manoel L.Garrido aos seus companheiros jornalistas – “Abre, maravilhado, os olhos ao que vires e deixa as tuas mãos cumularem-se do vigor da seiva, de tal modo que os outros possam, ao ler-te, tocar com as mãos o milagre palpitante da vida”. 3) O dito de Santo Agostinho: “Nas nossas mãos, temos os livros; aos nossos olhos, os acontecimentos”.

Livro não é papel com garranchinhos desenhados. É a experiência comum da existência que um determinado grupo de pessoas faz. É a ‘povidade’ do povo. Por isso, o que está no livro, está acontecendo na vida do povo. Está sendo vivenciado pelo povo.

O que fazia Natanael debaixo da figueira? Não sabemos. Mas, com certeza, foi uma experiência que “amarrou muitas pontas”. Fê-lo achar respostas para interrogações que dançavam em sua mente. Logo que viu Jesus, identificou-o com a experiência feita. Ele amarra pontas! Dá coesão, sentido à vida que todos estamos tecendo, fio por fio. Ele é o Verbo, o Texto Maior que o humano lê. Nas palavras do Beato citado, tocou com as mãos “…o milagre palpitante da vida”.

A fé cristã começa assim; e comunica-se assim: com um conhecimento direto, nascido da experiência. Já não é pelas tuas palavras que acreditamos; nós próprios ouvimos…”, dizem as pessoas à Samaritana, depois de Jesus Se ter demorado na sua aldeia (cf. Jo 4, 39-42).

Por isso insiste o Santo Padre que é necessário sair da presunção equivocada do “já sabido”. Superar jornais, noticiários de TV, rádio e Websites fotocópias porque mentem, porque não estão dizendo a vida, ela mesma. Cada pessoa, só por estar viva, já é a verdade em alguma medida, por ser uma leitura da vida. Por ser capaz de uma narrativa da vida. Felipe só se comunicou com Natanael porque Jesus já havia lhe amarrado as pontas. Já estava fascinado por Ele. Como, depois, Natanael também ficou.

É preciso “gastar a sola dos sapatos”. Quer dizer, sair de si. Abrir-se a encontros, às surpresas, sob pena de nada comunicar. Fora disso o comunicador faz fotocópia. Não comunicação.

O Papa agradece aos que, muitas vezes, arriscam a vida para fazer chegar a nós informações que não teríamos de outro modo, quais sejam, a difícil condição das minorias perseguidas em regiões distantes, abusos e injustiças contra os pobres e contra a ecologia etc. A falta disso empobreceria a humanidade. Não fossem eles, não saberíamos, nesse momento, por exemplo, de pobres preteridos no tratamento da COVID e na vacinação. Nem dos que estavam em condições melhores e empobreceram com a crise pandêmica.

A rede social pode significar mais olhos abertos sobre o mundo! E, de fato, muitas vezes é o meio pelo qual chegam as primeiras notícias e informes de socorros às populações flageladas. Mas, por ser Comunicação Social não verificável, também é facilmente manipulável, por infinitos motivos, até um banal narcisismo. Havemos de chegar a um maior discernimento e responsabilidade nesse particular.

O Evangelho se difundiu no mundo através de um ver, de uma experiência a que Jesus levou os Apóstolos. Experiência que, depois, os Apóstolos aprenderam a reproduzir nas pessoas e a espalharam pelo mundo. E, assim, apareceram outros Natanael, Samaritanas, Marias Madalenas no decorrer da história.  O Evangelho volta a acontecer hoje, sempre que recebemos o testemunho transparente de pessoas cuja vida foi mudada pelo encontro com Jesus. Há mais de dois mil anos que uma corrente de encontros comunica o fascínio da aventura cristã. Face a face. Olho no olho.

Por isso, o desafio que nos espera é o de comunicar, encontrando as pessoas onde estão e como são. Porque o como estão e o como são é Sagrada Escritura acontecendo vivamente, como diria Santo Agostinho.

            Síntese de Dom João Mamede – Umuarama, 12 de maio de 2021

 

 

Publicação: Suzana Machado
Assessora de Comunicação Diocesana e Pascom
Fonte: Érica Bolonhezi 
Jornalista Diocesana e Pascom

Compartilhar: