Encerrou o Curso Anual do Clero na Diocese de Umuarama

Padre Monsenhor Antonio Luiz Catelan Ferreira foi o assessor do curso que tratou do tema Cristologia

Encerrou nessa quinta-feira (26) o Curso Anual do Clero, o Padre Monsenhor Antonio Luiz Catelan Ferreira, foi o assessor do Curso Anual do Clero na Diocese de Umuarama, que tratou do tema: Cristologia. De acordo com o Padre, os objetivos do encontro são muitos, mas acredita que do ponto de vista da Diocese, no projeto pastoral para os próximos anos está se tomando como referência o tema do encontro com Cristo, iniciação a vida cristã e a vida comunitária a partir da iniciação. “A cristologia está na base da pastoral e sobretudo de um projeto pastoral que pretenda tomar está direção. Para conhecer Jesus Cristo, compreender a partir dos Evangelhos e da doutrina da Igreja, é fundamental que a Pastoral seja aquilo que é, visando fazer a experiência do encontro com Cristo, para crescer na santidade”, destaca o Monsenhor.
Bispo Dom Frei João Mamede Filho, OFMconv., comenta que faz parte da vida da Diocese oferecer um tempo de atualização e aprofundamento intelectual de estudo para os Padres e Diáconos, além do retiro. “O estudo não para, está continuamente pensando, repensando e se aprofundando. A intenção de escolher esse tema foi para nos confrontarmos com as atuais reflexões sobre Cristo”, conclui o Bispo.
Segundo o Padre Marcos Antônio de Oliveira, Coordenador do Clero na carta convite enviada para todos os participantes do curso, “a Diocese está sempre se fazendo e se refazendo no seu caminhar da história, na sucessão dos dias, da época e das etapas da vida. Ao caminhar para o Jubileu da Diocese é necessário que a Igreja se pergunte: O que é essencial na caminhada? E a resposta é sempre aquela à qual o Evangelho aponta em Mateus: ‘Jesus Cristo o Filho de Deus vivo’ (Mt 16, 13-19). Ele é o Senhor da Igreja, é a Ele a Igreja deve ser fiel, mantendo a aliança e construindo sobre o fundamento que é Ele (cf 1 Cor 3,11)”, detalha o Padre.
Ele continua e explica que “a nossa Diocese está se preparando para a festa de 50 anos, nossa Igreja é chamada a discernir, para distinguir o que é essencial e o que é acessório. O essencial é aquilo que está na raiz e na seiva da árvore da vida, que é a Igreja, aquilo que nos constitui e pelo qual se serve. E nosso viver é Cristo (cf Fl 1, 21). Ele é a realidade última (cf Cl 2,17), Ele é nossa paz (cf Ef 2, 14), Ele é nosso horizonte escatológico: a vida eterna plenamente realizada na sua ressurreição (cf 2 Cor 5, 17).”
“Agindo em favor do Reino de Deus, a partir de Cristo e de nossos estudos permanentes, vamos percebendo que tudo nesse mundo são eventos penúltimos, mas que o ultimo acontecimento é a vida eterna. Somente a partir de Cristo, se pode ver corretamente a história, os acontecimentos, e assim, distinguir o que é transitório e secundário, do que é essencial e necessário”, finaliza o Padre Marcos.

Fonte: Érica Bolonhezi
Jornalista Diocesana
Fotos: Rejane Rocha
Assessora de Comunicação e PASCOM Diocesana

Compartilhar: